EXPOSIÇÕES

‘Portinari – A construção de uma obra’

26677855_1614679748597700_2596701397386833938_o

Ano 2018

Cândido Portinari, um dos maiores nomes da arte brasileira, tem sua trajetória contada em exposição inédita em Curitiba. A exposição “Portinari – A construção de uma obra” fica em cartaz de 17 de janeiro a 18 de março de 2018, na Caixa Cultural Curitiba.

A mostra reúne estudos do pintor, muralista e desenhista, como os que foram feitos para o painel Guerra e Paz, que Portinari criou para a sede da ONU, em Nova York, entre 1952 e 1956. Além de suas obras que conquistaram reconhecimento internacional retratando o cotidiano do país e a desigualdade social, como em “Grupo com homem doente” e “Menino morto”, por exemplo. Também fazem parte da montagem oito esculturas criadas pelo artista plástico Sérgio Campos, que recriam os personagens de Portinari.


Street Art – Um panorama urbano

street-rio6

Ano 2014

A exposição, carregada de talentos e obras marcantes em diversos estilos, como stencil, pintura, pôster, colagem, instalação e vídeo conta com os nomes Jef Aerosol e Rero (França), Pixel Pancho e a dupla StenLex (Itália), os irmãos HowNosm (EUA), ±MaisMenos± e Vhils(Portugal), e os brasileiros Herbert Baglione e Nunca.

Do inglês Banksy, cujos traços com spray são os mais valiosos no mercado de arte, há duas telas pequenas com toda a ironia que lhe é característica. Uma delas traz a garotinha vietnamita atingida por uma bomba de mãos dadas com Ronald McDonald e Mickey. A influência da pop art aparece nos quadros do francês Jef Aerosol, que faz retratos de personagens históricos, como o pugilista Muhammad Ali e a ativista dos Panteras Negras, Angela Davis. O português ±MaisMenos± reproduziu notas de real em uma crítica ao mensalão e aos altos preços no país. Uma bola de futebol cravada na parede com uma faca reflete o humor de alguns em relação à Copa do Mundo. E ainda um mural do grafiteiro paulistano Nunca e um painel da dupla italiana Sten Lex.

Uma mostra coletiva inédita que trouxe para o Brasil artistas representativos da Street Art da atualidade e pode ser vista nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.


Romanelli – 50 anos de Pintura

romanelli2

Ano 2014

A mostra aconteceu no showroom da Galeria Dom Quixote no Shopping da Gávea onde foram apresentados trabalhos produzidos a partir da década de 60, alguns jamais expostos, num total de 68 obras. Dentre elas, os quadros “Carneirada”, “Feira das Flores”, “Marinha”, “Dom Quixote” e “Músico”.

Romanelli é autor de importantes murais e projetos eclesiásticos. Nos últimos anos o artista utiliza o seu ateliê na Espanha, de onde partem os últimos quadros da exposição.


Ano 2013

O impressionista Pierre-Auguste Renoir foi um importante artista plástico francês. Nascido em 25 de fevereiro de 1841, na cidade de Limoges, demonstrou já na infância grande interesse pelas artes plásticas. Trabalhou ainda pequeno como decorador em uma indústria de porcelanas e, com 18 anos, começou a pintar e decorar persianas e leques. Em 1862, foi estudar na Academia de Belas Artes, e conheceu outros artistas famosos da época como Claude Monet e Alfred Sisley. Trazendo influencias de ambos.

Em dezembro de 2013 a Galeria Dom Quixote e a Dannemann Entretenimento dedicaram a Renoir sua vitrine da loja no Shopping da Gávea, abrigando uma tela original do grande mestre, produzida em 1890, intitulada “La Conversation”. Assim, inauguraram a série “Arte no Shopping” onde se apresentaram outros expoentes do patrimônio artístico mundial, dentre eles Pablo Picasso, Cândido Portinari e Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho.


virgilio

Ano 2012

Carioca, artista e um exemplo de ser humano, este é Virgílio Dias. O neo-impressionista que se descobriu na arte após um grave acidente, em 1978, em que perdeu o braço direito e, destro, precisou se reinventar. Foi apresentado ao professor Antenor Finatti que ministrava aulas de pintura na SBBA e pode desenvolver seu talento, tornando-se o artista magistral que conhecemos hoje.

É apaixonado pelas ruas do Centro do Rio de Janeiro onde velhos sobrados sobrevivem convivendo com prédios modernos, fazendo um cenário para o incessante vaivém dos pedestres e dão calor à vida do cotidiano da cidade. Com seu “ateliê ambulante”, retrata o cotidiano da cidade e também de lugares por onde passou, como Paris e Portugal. Conforme ele mesmo afirma: “O meu ateliê é muito grande, é a rua, os lugares onde estou naquele momento”.

A Dom Quixote Galeria de Arte e a Dannemann Entretenimento tiveram a honra de receber seus clientes amigos para exposição REVELAÇÕES e homenagear este grande artista.


Exposição Armando Romanelli – Pelos pincéis do grande mestre…

romanelli

Ano 2009

A arte de Armando Romanelli é fruto de sua total dedicação à pintura.  A missão de perpetuar e transpor os valores culturais e sociais, através de sua sensibilidade artística, foi assumida com intensidade pelo artista desde o início de sua jornada, há 40 anos. Suas pinturas possuem um lirismo que invade o pensamento de quem as vê. Em todas as obras vemos o seu interesse de perpetuar um olhar marcante pela vida.

Com exposições individuais realizadas nas principais cidades do mundo, Romanelli está inserido em consagradas coleções de arte e ainda presente em alguns museus de grande referência.


Exposição Virgílio Dias – A Força do Pastel

virgilio2

Ano 2009

Desenhos a giz pastel se restringem a uma pequena fase da produção de um artista. Poucos são os que mergulham na técnica. Mas, no caso do carioca Virgílio Dias, eles representam grande parte de seu portfólio. Na mostra, o pintor exibe 40 obras na exposição “Virgílio Dias – A força do pastel”, na galeria Dom Quixote, no Rio Design Barra, em que retrata cenas do dia a dia e com o universo feminino aparecendo em peso.

Segundo o artista: “São cenas que vejo nos bares, nas praças, nas esquinas… Grandes nomes já faziam isso, Toulouse Lautrec desenhava pelos cafés e cabarés de Paris. Procuro manter a alma aberta para absorver o que há de belo em gestos simples, especialmente os femininos, que são mais delicados e líricos.”, relata.


Exposição Bianco 90 anos – Uma homenagem a Portinari

bianco

Ano 2008

O artista plástico italiano Enrico Bianco chegou ao Brasil depois de deixar um amor na Itália. Passava os dias, do ano de 1936, deprimido e tentava encontrar inspiração nas praias cariocas. Até conhecer Paulo Rossi, responsável pela confecção dos azulejos utilizados por Cândido Portinari e, para animar o rapaz de apenas 18 anos, Rossi o convidou para conhecer o ateliê do artista. Daí pra frente, sua vida mudou. Trabalhou por quase duas décadas ao lado do pintor e participou ativamente da produção dos painéis que ilustram a sede da ONU, em Nova York.

Para comemorar os 90 anos de Bianco, a galeria Dom Quixote, no Rio Design Barra, preparou uma exposição com 50 obras de Portinari, sendo 30 delas inéditas. A noite de abertura da exposição contou ainda com o lançamento do livro Guerra e Paz, inédito no Brasil e editado pelo Projeto Portinari, para homenagear os 50 anos dos murais da ONU, feitos em setembro de 2007.


Virgílio Dias em Cenas do Cotidiano

virgilio3

Ano 2007

“Pintar quadros é uma coisa que qualquer pessoa dotada de alguma destreza pode realizar, porém, fazer com que esse quadro toque a sensibilidade de outra pessoa, fazendo-a desejar possui-lo para admira-lo em suas paredes é outra coisa. É arte. Tenho acompanhado a trajetória artística de Virgílio Dias há alguns anos e tenho notado sua evolução. Evolução aprimorada pelo talento, persistência e coragem, pois todos os seus quadros são realizados “in loco”, obrigando o artista a todo tipo de sorte”.
(Armando Romanelli)

A frase de Romanelli representa um pouco da grandiosidade e da excelência da obra de Virgilio e todo seu cotidiano retratado nas suas pinturas e nos seus sentimentos que cada pincelada vem traduzir.

As Bailarinas de Dezembro – Virgílio Dias

virgilio4

Ano 2007

Uma série de pinturas de Virgílio Dias que a Dannemann Entretenimento e a Dom Quixote expuseram para que todos tivessem acesso a arte, a cultura e emoção que ela traz. E ainda reverenciando este grande e talentoso artista brasileiro.